Thursday, December 18, 2008

E "prontos"!


heheehehe
depois de tantos meses, cá está a (f)Ada em fundo azul turquesa :D


Car@s leitores, vamos continuar a história noutro lado. Foi bom, mas agora que deixei de ser Aprendiz... a Feiticeira vai passar a "blogar" tudo no mesmo sítio, por isso espero por vós em
e em
P.S.- já agora...alguém por aí sabe se é possível imprimir este blog? gostava de o oferecer à Ada...talvez tu, Morgy?

Wednesday, December 17, 2008

De mulher a mãe

Com a minha filhota pendurada da mama e só com uma mão vou tentar contar-vos o nosso parto...mas não há palavras.
Foi lindo, muito melhor do que alguma vez eu teria conseguido imaginar. A verdade é que eu nunca tinha conseguido imaginar grande coisa, nem nas meditações, nem na sofrologia. Racionalmente pensava que podia ser assim, ou assado, mas a Ada escolheu um parto maravilhoso.
Bem...passando aos factos ;)
Às 04h da madrugada acordei um bocadinho desconfortável. Com vontade de ir à casa-de-banho, com a impressão de estar mal dos intestinos. Percebi que algo se passava, mas julguei que era o 1º sinal, que algures ao longo dessa semana a Ada havia de nascer.
Fui à casa-de-banho várias vezes, reboli na cama, acabei por tomar um banho porque sabia que se ligasse à doula era esse o conselho que ela daria. Com o banho a coisa havia de se definir. Nada...continuava a sentir algo diferente, mas nem tinha contrações muito definidas. Só pensava, isto não é nada, ainda nem me saiu o rolhão, nem tive muitas contracções.
Às 06h sim, a coisa lá se definiu. De repente e tudo ao mesmo tempo saiu-me o rolhão, romperam-se as águas e comecei a ter contracções fortes e muito juntas. Já tinha a minha doula do outro lado do telefone e aqui percebemos que estava mesmo a começar, liguei à parteira, que só de me ouvir pelo telefone disse logo para chamar a equipa toda.
E assim foi, ligámos a uma amiga aqui de Vila Real, ligámos à minha sogra, a doula e a parteira já vinham a caminho. A partir daqui foi a loucura total! Eu que pensava estar em trabalho de parto umas 12h, comecei logo com contracções de 1min30 em 1min30 e vontade de fazer força, e pensava, eu não aguento 12h disto. Além disso a única certeza que tinha era que queria que a Ada nascesse em casa, por isso estava muito preocupada por estar com tanta vontade de fazer força, porque podia levar a inchar o colo do útero e aí tínhamos mm de ir para o hospital. Mas era uma vontade incontrolável de fazer força...sabem do que falo mamãs ;)?
Quando a Ana chegou o Eduardo já pôde tratar de encher a banheira de água. Nós até tínhamos piscina insuflável, mas não havia tempo de a encher de ar e muito menos de água, por isso a nossa banheira cor-de-rosa serviu perfeitamente. E lá conseguímos chegar à banheira, com uma contracção a meio caminho que os ia deitando ao chão aos dois. Já à beira da banheira eles tentaram segurar-me porque a água estava muito quente, mas ninguém segura uma mulher a parir, e eu atirei-me literalmente lá para dentro. E que alívio... que delícia... que sensação...
Não sei quanto temop ali estive, lembro-me do Eduardo, lembro-me de estar a "espremer" ora a mão da Ana, ora a mão do Eduardo, lembro-me de gritar ou gemer nas contracções e de dizer não, não, não a tentar não fazer força, mas era impossível, percebo agora que estava em pleno periodo expulsivo.
A certa altura a Ana pôs-me "Rescue", e aí tive a clarividência de perceber, se o meu corpo está a fazer força, desta maneira e com esta intensidade, não pode estar errado. E aí deixei de lutar tanto com as contracções, sempre a tentar não fazer toda a força que me apetecia, afinal a parteira ainda não tinha chegado, mas menos angustiada por estar com tanta vontade de fazer força.
Quando a parteira chegou, vinha a subir as escadas e eu já a ouvia a dizer qq coisa tipo, estou a chegar!! e assim que entrou na casa-de-banho eu só lhe perguntei "posso fazer força?"..."Claro que podes!" e foi o alívio. Ufa! Fiquei tão serena que me pareceu que tinha ficado sem contracções:) Até aí por mais que respirasse assim ou assado, parecia que cada respiração despoletava uma contracção:P
Em 10min a Ada estava cá fora. Já ninguém me conseguiu tirar da banheira, ela já estava a coroar. A parteira ainda disse, mais 3 contrações e ela sai, mas eu lembro-me de pensar sei lá quando é a próxima e agora se eu fizer uma forcinha se calhar ela já nasce. E nasceu :) Ás 09h56m caiu a nossa fada nas mãos do pai.
Eu estava de quatro, exausta, lembro-me que ela fez uns sonzinhos e eu fiquei descansada, está tudo bem, há ali quem tome conta dela, deixem-me só recuperar o fôlego...
Lá me consegui virar, e vi a minha filhota, peguei nela, e dei-lhe muitos beijinhos, e cheirei-a. Foi mágico, único, poderoso, confuso, sei lá, afinal não há palavras para decrever e ao mesmo tempo há tantas palavras. Eu e o Eduardo ficámos em êxtase, sem saber se rir ou chorar, e a rir e chorar tudo ao mesmo tempo.
A placenta também nasceu sem problema. Eu tomei um duchezito, já estava na banheira e já;) e fui para o quarto, para a minha caminha.
Ao entrar no quarto tive a maravilhosa surpresa de o meu amor ter preparado tudo melhor ainda que nos meus sonhos. As velas acesas, uma músiquinha da Loreena McKennitt a tocar, a cama feita, hmmmm, uma delícia.
E depois tivemos direito a tudo o que merecemos! Um belo pequeno almoço de cházinho e pão com manteiga de amendoim! E a seguir foram chegando uma a uma as pessoas que a Ada não deu tempo de chegarem a tempo. A minha mãe, a minha doula e as suas princesas filhotas, a minha avó...e durante o resto do dia foi um desfilar de família e amigos pela beira da minha cama, tal como eu tinha desejado. Uma casa cheia tal como o nosso coração, de alegria, felicidade e amigos.

Saturday, November 22, 2008

Fada Ada, Princesa do Meia Laranja


No dia de S. Martinho, nasce a Ada e prova-se o vinho!!
Meus lindos, ainda estou a apreciar esta felicidade transbordante,
ainda estou a digerir esta viagem fantástica que foi a chegada da nossa filhota,
e sobretudo estou a conhecê-la e ela a mim, por isso passei por aqui só mesmo para vos deixar uma foto da princesa Pipoca, e prometo voltar um dia destes com mais fotos e mais palavras :D

Thursday, November 6, 2008


38 semanas
(casa de pantanas, obras de montagem do aquecimento central,
pó e lixo por todo o lado, e as minhas costas que já não colaboram... :)

Monday, November 3, 2008

Tenho um amigo que muitas vezes quando lhe perguntam qualquer coisa inventa a resposta. Diz ele que às vezes é mais fácil contar uma mentira que explicar a verdade. Ele até tem razão...mas eu não consigo. Muitas vezes o simples facto de omitir certas coisas, para mim já me parece que estou a mentir. E mentir cansa-me...temos de estar com os sentidos todos alerta para que as mentiras todas juntas façam sentido.

Esta conversa toda graças a este comentário.
A mim também me aconselharam a não partilhar as minhas opções alternativas. No início tanto eu como o pai não falávamos muito sobre as nossas opções para a gravidez e o parto, se nos perguntavam desconversávamos e mudávamos de assunto. Mas eu já não conseguia rodear mais o assunto, e ainda por cima quem nos conhecia bem já sabia de ginjeira quais eram as nossas ideias e aquilo que defendíamos.
A certa altura o Eduardo, que tem sempre razão ( ;) não lhe digam que eu disse isto, senão tou tramada...) disse-me: nós temos de dizer o que queremos, criar a nossa própria realidade, senão parece que temos algo a esconder e não estamos suficientemente seguros dsa nossas opções para as partilhar com as outras pessoas. A partir daí passámos a falar com quem quisesse falar do assunto...e o mais engraçado é que foram raros os casos de pessoas que não aceitaram, nos trataram mal ou foram sinceramente desagradáveis(muita gente tratou-nos como se as nossas opções fossem tomadas levianamente, mas depois de uma conversa percebem melhor).
Claro que nós temos alguma fama de excêntricos, mas uns excêntricos com muitos amigos e amados pelos amigos ;).
Assim sendo, como doula, aconselho as grávidas a pensar bem como, quando e com quem querem partilhar as suas opções, mas pessoalmente sinto que tenho de partilhar as minhas ideias para que "o mundo pule e avance".

Wednesday, October 29, 2008

No outro dia uma amiga minha confessou-me enfim que lhe fazia muita confusão as minhas opções em relação a esta gravidez. Que nem conseguia falar-me muito bem sobre isso, principalmente depois de ter sido mãe. Ficou-me uma frase, que a nossa grande tarefa como mães é proteger os nossos filhotes e tomar as decisões mais seguras para eles.

Concordo plenamente com ela. Sem tirar nem pôr!!




Notícia do Correio da Manhã de 29 de Outubro de 2008

Portalegre: Criança morre 35 dias depois de nascer com lesões irreversíveis

Negligência no parto

Um médico espanhol, prestador de serviços no Hospital Doutor José Maria Grande, Portalegre, foi suspenso depois de acusações de negligência grosseira por parte dos pais de uma bebé que nasceu, após horas de trabalho de parto complicadas, com lesões irreversíveis, que lhe viriam a provocar a morte 35 dias mais tarde. Os pais da criança não se conformam e pedem justiça.

'Foi um bocado de nós que foi arrancado. Não temos a menor dúvida de que foi a actuação do médico que provocou a morte da nossa filha Nicole', disse ao CM Joaquim Pinheiro, pai da recém-nascida que veio a falecer em resultado de uma encefalopatia hipóxica de grau 3, provocada pela asfixia durante as dez horas de trabalho de parto. Durante cerca de metade desse tempo, a criança terá sufocado várias vezes, chegando mesmo a ter paragens cardíacas.

'Ele nunca quis avançar para a cesariana. Não percebemos porquê, se havia complicações. Depois forçou a dilatação e arrancou a minha filha com fórceps e ventosas', relata Maria Aparecida, mãe de Nicole.

A menina ainda resistiu durante 34 dias, antes de falecer a 14 de Outubro. Depois das complicações iniciais, foi transferida para o Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, onde foi descoberto que, além das lesões cerebrais, a criança estava tetraplégica. O casal, que reside em Portalegre, não se conforma e deu início a uma campanha que reclama 'justiça para a Nicole e o apuramento de responsabilidades'.

Contactado pelo CM, o Hospital de Portalegre diz que o clínico foi de imediato suspenso 'devido a uma suspeita de negligência', à qual se junta agora um processo de averiguações e uma perícia médica que ainda decorre. O episódio trágico foi comunicado também ao Ministério Público e ao Ministério da Saúde, bem como à Inspecção-Geral de Saúde. O clínico espanhol sobre quem recaem as suspeitas, Luis Garcia Paradells, está incontactável.

Arre!

Arre!! Cai-me tudo das mãos... Não posso deixar de aproveitar esta frase emblemática da minha sogra para partilhar convosco uma particularidade do final da gravidez.
Chama-se força da gravidade! É que é impressionante, parece que deixa de ser 9,8m/s2 e passa algures para valores aproximadamente de 50 000m/s2.
E vocês não imaginam o desespero de teres de chegar ao chão, pela enésima vez, com este barrigão e esta falta de jeito... :P


Tuesday, October 28, 2008

De pequenina se torce a pepina

heheheheheh
Convém dizer que não houve só vinho...Uns belos exemplares de Pêra-Manca, Quinta do Crasto, entre outras maravilhas....houve também um maravilhoso Risotto de Cogumelos Silvestres (apanhados pelo tio Pinto)!
Só vos digo: SCHLEEEPPSSSS!!!!
P.S.-e ainda caibo na fatiota de trabalho;)

37 semanas

37 semanas

Aprendiz de Feiticeira

Preciso de partilhar esta minha felicidade!!
Hoje é felicidade de Doula;)
O que quer dizer que existe algures por aí mais uma pipoquinha na barriga de alguém, e eu estou tão feliz por ela :D

...e mais não digo...

Saturday, October 18, 2008

Friday, October 17, 2008

'Bamos à Piscina!!!!

Hoje é dia de chapinhar!!!
Já vamos à natação há 3 semanas, e que bem que nos tem sabido. E quando falo em plural, não é só aquele plural majestático, tipo eu e a Ada...somos mesmo os 3, mamã, papá e pipoca!!

Thursday, October 16, 2008

Novidades fresquinhas e rechonchudas

Obrigada Sofia! Ainda bem que me deixaste um comentário, para eu arranjar finalmente uns minutinhos e deixar aqui umas novidades.
Nada temeis! A Ada continua quentinha e confortável na barriga, como podem ver na foto ;) Eu é que sou uma mãe completamente speedada, e não tenho parado quieta, nem para deixar aqui umas linhas...
Tudo corre bem! A Ada é um doce, ainda não descobriu as minhas costelas, e dá uns piparotes muito meiguinhos, imagino-a a rebolar de um lado para o outro da barriga, como eu quando estou a preguiçar na cama ;)
Já pesa, está crescidota, mas continua uma barriguita linda e redondinha. Pelo menos aqui do meu ponto de vista;)
Eu é que começo a parecer uma baleíta. Acordo com as mãos inchadas e adormeço com os pés inchados. E nada parece ajudar, também, ainda não tinha tido nenhum destes sintomas mais chatos, né? Ai não, já me esquecia...também tenho umas noites de azia de bradar aos céus!!! Já consegui descobrir a solução(nada de jantares com gorduras, encher pouco a pança À noite e um copito de leite antes de ir dormir fazem maravilhas!), mas até atinar foi difícil...bahhh...
Hoje acordei sem poder com uma "gata pelo rabo", depois destas últimas semanas agitadas, por isso acho que é desta que vou mesmo começar a abrandar o ritmo. Já montei o meu "estaminé" na sala, muitos livros, o computador, um sofá só para mim, e uma televisão e pelo menos por hoje estou pronta para "jiboiar"...

Tão crescidota que está a Ada :)

31 Semanas

34 Semanas

35 Semanas

Ufa...que canseira...

Só um desabafo...


Logo agora que eu tanto queria, e devia, estar quieta e sossegada, é que me caiu tudo em cima. Eu sei que também não ajudo...não facilito...até sou eu que acabo por chamar trabalho para mim... mas eu olho à volta e não vejo mais ninguém chegar-se à frente para resolver os assuntos pendentes, logo, se não fôr eu, e os poucos que me têm ajudado, sempre gostava de saber como é que as coisas se resolviam!
Se calhar, eu é que tenho de largar tudo da mão...para dar espaço a alguém que quer mesmo trabalhar e ainda não teve oportunidade, será?
Aliás, se há coisa que me cansa ainda mais, é: depois de calcorrear metade da cidade, tratar de mil e um assuntos, e ainda trabalhar no duro para o bem da "comunidade" alguém a quem tento delegar uma qualquer tarefa dizer-me, "xiii, ó Mariana, se soubesses a minha vida", "xiii, ó Mariana, é que não vai mesmo dar, estou atolado de trabalho", "xiiii, ó Mariana, eu não posso, mas a malta tem mesmo de te ajudar, que tu já não devias andar nestas vidas". Pois...tá bem...

Tuesday, September 30, 2008

Check List

Hoje vou começar a empreitada de lavar as roupitas todas da pipoca :D

I couldn't say it better




















Pés na Relva

Hoje encontrei um blog que me deliciou e deixou a pensar ;) (gosto mesmo que me deixem a pensar...)

Deixo aqui este parágrafo que me chamou a atenção, mas estejam à vontade para espreitar o resto do blog Pés na Relva

"Como disse o jornalista João Pereira Coutinho, hoje “a criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis. E um exército de professores explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição.” Esqueceu-se que a corrida começa normalmente mais cedo, aos quatro meses, quando o bebé vai para a ama. E que, aparentemente, não tem fim, pois nem nas férias os deixam descansar…"

Tuesday, September 16, 2008

Barriguita...já não tão ita...

A melhor amiga da grávida às 31 semanas de gestação...
Caríssimos amigos e amigas...vão por mim...tenham cuidado com essa barriga...senão meias e sapatos passarão a ser os vossos piores inimigos!!!!

Saturday, September 13, 2008

"Profissão: Mãe

Uma mulher foi renovar a sua carta de condução.
Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão.
Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.
"O que eu pergunto é se tem um trabalho", insistiu o funcionário.
"Claro que tenho um trabalho", exclamou. "Sou mãe".
"Nós não consideramos 'mãe' trabalho. Vou colocar Dona de Casa", disse
o funcionário friamente.

Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei
em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era obviamente uma
funcionária de carreira, segura, eficiente, dona da situação.
"Qual é a sua ocupação?" Perguntou.

Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me
da boca para fora:
"Sou Doutora em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas."
A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar
para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti
pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.
Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta,
no questionário oficial.
"Posso perguntar", disse-me ela com novo interesse - "O que é que faz
exactamente?
Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouviu-me responder:
"Desenvolvo um programa a longo prazo (qualquer mãe faz isso) em
laboratório e no campo experimental (normalmente eu teria dito dentro
e fora de casa). Sou responsável por uma equipa (minha família), e já
recebi quatro projectos (todos meninas). Trabalho em regime de
dedicação exclusiva (alguma mulher discorda?), o grau de exigência é
em nível de 14 horas por dia (para não dizer 24 horas).
Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de
preencher o formulário, levantou-se, e pessoalmente abriu-me a porta.
Quando cheguei a casa, com o título na minha carta de condução, fui
recebida pela minha equipa: uma com 13 anos, outra com 7 e outra com 3
anos. Do andar de cima, pude ouvir o meu novo experimento (um bebé de
seis meses) testando uma nova tonalidade de voz. Senti-me triunfante!
Maternidade... Que carreira gloriosa! Assim, as avós deviam ser
chamadas - "Doutoras-Sénior em Desenvolvimento Infantil e em Relações
Humanas".
As bisavós: "Doutoras-Executivas-Sénior".
E as tias: "Doutoras-Assistentes".

Uma homenagem carinhosa a todas as mulheres, mães, esposas, amigas,
companheiras - Doutoras na Arte de fazer a vida melhor.

A todas as MULHERES, com carinho."
(este texto foi retirado do Fórum das Doulas de Portugal)

Atenção, muita atenção!

Antes deste post quero só deixar bem claro que estou muito feliz por termos mais uma pessoinha neste mundo, e que ainda bem que "correu tudo bem" no parto desta minha amiga. Acredito piamente, e defendo veementemente, que o parto que temos é sem dúvida o parto que nos estava destinado, perfeito para nós e bebé naquela circunstância e naquela fase da nossa vida.

No outro dia uma amiga veio-me contar que uma amiga nossa já tinha tido o bebé. Eu fiquei muito admirada, ela estava mais ou menos como mesmo tempo que eu...se a memória não me falha, que já vou confundindo um bocado as grávidas que me rodeiam...Mas não, ela estava efectivmente com o mesmo tempo que eu.
-A sério? Mas foi mais cedo não foi?
-Sim. Mas correu tudo bem.
-E quando nasceu? (se a pipoca nascesse agora,30 semanas, eu mesmo assim não ficava muito contente...)
-Nasceu no início de Agosto.
-????? Mas então nasceu mesmo muito cedo...Com quantas semanas nasceu?
-Com 22 semanas, mas correu tudo bem!
(...)

Bem, o que quero dizer com isto tudo é, correr tudo bem não é o bebé nascer, não é o bebé nascer vivo e não acontecer nenhuma desgraça à mãe. Contabilizar o sucesso de um parto pela sobrevivência do bebé e da mãe deixa muito a desejar...e há que desejar efectivamente o melhor para as nossas crianças.
Pensem nisso...
Já que hoje em dia gostamos tanto de estatísticas e nos agarramos tanto aos números, ao menos acho que devíamos incluir nesta equação mais umas quantas variáveis a ter em conta.

Monday, September 1, 2008


23 semanas

Descanso depois de um belo almocinho veggie por Tierras de Miranda
L Burro i l Gueiteiro
Expo Zaragoza 2008
A Ada sempre a bombar por essa Península Ibérica fora!!27 semanas

28 semanas

Friday, August 1, 2008

Mamocas para tod@s!!!!

Dia Mundial do Aleitamento Materno



E eu que sempre adorei mamocas...
Leitinho da mãe é o melhor que há!
Colinho da mãe é o melhor no mundo!!
E miminhos e amor nunca fizeram mal a ninguém!

Thursday, July 31, 2008

é mesmo uma Pipoca

a Pipoca Beijoca parece uma pipoca dentro da panela, não pára...
é uma mexeriqueira nata, e faz cócegas o dia inteirinho...
nós já desconfiamos que ela está a aproveitar para fazer yoga enquanto ainda tem espaço ;)

Tuesday, July 15, 2008

sms p'rós amigos

"O que não vale o feeling do pai? E o feeling da mãe?
Hehehehe
A Fada Ada vem a caminho :)
O Sr. Dr. também tem o feeling que é uma miúda!!!
Beijos
M:)cas"

Friday, July 4, 2008

O Voo das Cegonhas

É desta! Finalmente vou avançar para o 1º curso! Depois conto como correu :)

Wednesday, July 2, 2008

A pedido de várias famílias...


Aqui vão mais umas fotos, para os "tios" e "tias" da pipoca, espalhados por esse mundo fora, poderem matar saudades da mãe e irem conhecendo a barriga :D


17 semanas

19 semanas
(a assar sardinhas...o que a pipoca gosta de sardinhas!!!)


20 semanas

Monday, June 30, 2008

Friday, June 20, 2008

Parir com a alma

Há muito tempo que não deixava aqui uma citaçãozinha, e além disso descobri que nem tinha ali em baixo na bibliografia a minha "sementinha" da Humanização do Nascimento, por isso, além de acrescentar à bibliografia fica aqui também uma achega...


"Enquanto Zeza cuidava da menina recém-nascida, batizada de Sara, sentei-me com Madalena na acanhada sala de seu apartamento e lhe perguntei:

-Esse é o último Madalena?

Ela sorriu e disse:

-Não sei. Gosto tanto de ter filhos que não seria justo dizer que não mais os terei.

-Madalena, disse-lhe eu fitando seus doces olhos castanhos, você é uma mulher abençoada. Tem o dom da maternidade e a dádiva de ser mãe de tantos filhos e todos saudáveis. Seus partos são rápidos, indolores e belos. Você devia doar seu corpo para a ciência, para que no futuro descubram qual o gene responsável por ter filhos com tamanha facilidade e tanta paz.

Madalena me encarou com aquele olhar maravilhosamente doce e me respondeu com um sorriso:

-Doutor, não vai adiantar nada procurarem no meu corpo. Aqui não vão encontrar nada. Melhor procurarem na minha alma.

Abençoada seja para sempre, Madalena."
Ricardo Jones
in "Memórias do Homem de Vidro
Reminiscências de um Obstetra Humanista"

Wednesday, June 18, 2008

Confesso...

Confesso...não me apetece nada escrever...
também tenho um caderno para contar histórias à pipoca e também não me apetece. E "prontos"!
Falo com ela o dia todo, quando chego aqui não tenho nada para contar:)

Mas posso-vos dar uma novidade: já sou mais um bocadinho Doula :D! E estou tão feliz! Fiz o curso inicial e foi uma delícia...agora, mãos ao trabalho!!!

Vejam só tão crescidota que está a pipoca!!

Your pregnancy: 18 weeks


How your baby's growing:

Head to rump, your baby is about 5 1/2 inches long (about the length of a bell pepper) and he weighs almost 7 ounces. He's busy flexing his arms and legs — movements that you'll start noticing more and more in the weeks ahead. His blood vessels are visible through his thin skin, and his ears are now in their final position, although they're still standing out from his head a bit. A protective covering of myelin is beginning to form around his nerves, a process that will continue for a year after he's born. If you're having a girl, her uterus and fallopian tubes are formed and in place. If you're having a boy, his genitals are noticeable now, but he may hide them from you during an ultrasound.

See what your baby looks like this week.

Note: Every baby develops a little differently — even in the womb. Our information is designed to give you a general idea of your baby's development.

How your life's changing:

Hungry? An increase in appetite is pretty common about now. Make it count by choosing meals and snacks that are rich in nutrients instead of empty calories (chips, French fries, candy, and other sweets). Bigger, more comfortable clothes are a must now as your appetite and waistline grow.

Your cardiovascular system is undergoing dramatic changes, and during this trimester your blood pressure will probably be lower than usual. Don't spring up too fast from a lying or sitting position or you might feel a little dizzy.

From now on, when you do lie down, it's best to lie on your side — or at least partly tilted to one side. (When you lie flat on your back, your uterus can compress a major vein, leading to decreased blood return to your heart.) Try placing a pillow behind you or under your hip or upper leg for comfort.

If you haven't already had a second-trimester ultrasound, you'll probably have one soon. This painless procedure helps your practitioner check how your baby's growing, screen for certain birth defects, check the placenta and umbilical cord, determine whether the due date you're working with is accurate, and see how many babies you're carrying. During the exam, you might see your baby moving around or sucking his thumb. Bring your partner along, and be sure to ask for a printout for your baby's first photo album!

Afternoon energy booster "If you're finding it hard to get through the afternoon at work without a little nap, find a place you can escape for 15 to 20 minutes (close your office door, use a conference room, even sit in your car). Bring a small travel alarm clock and set it for 15 minutes." — Laura


3 Questions About...How to exercise now



Q1.

Should I change my fitness routine?

In most cases, if you're healthy and your pregnancy is proceeding normally, you can continue working out as you did in your first trimester — with some sensible modifications to accommodate your growing belly. What to do: Stick to a moderate level of exercise and avoid bouncing and jarring motions, sudden changes of position, and lying on your back.

Q2.

I've been pretty sedentary, but I'd like to start getting some exercise. Where should I start?

First, check in with your caregiver about your plans. Then, you'll need to start with gentle exercise for short periods of time (about 15 minutes a few times per week) and gradually work up to a longer and more intense daily routine (about half an hour a day). What to do: Walking is the easiest way to get started on a regular fitness program, and it doesn't require any special equipment other than a good pair of walking shoes! Many women enjoy swimming during pregnancy because the water helps hold up their extra weight. Others swear by prenatal yoga to stretch and strengthen their body as well as relieve aches and pains.

Q3.

What are Kegels?

Kegels are exercises that strengthen the muscles of your pelvic floor — the ones that support your urethra, bladder, uterus, vagina, and rectum. Kegels help prevent urine leaks during and after pregnancy and may even help you in the second stage of labor. What's more, Kegels increase circulation to your rectal and vaginal area, so they may help keep hemorrhoids at bay and speed healing after childbirth if you receive stitches.

Here's how to do them:
• Tighten the muscles around your vagina as if trying to interrupt the flow of urine when going to the bathroom. Use a "squeeze and lift" technique, working only your pelvic floor muscles while keeping your abdominal and leg muscles relaxed. And be sure not to hold your breath.
• Hold for about eight to ten seconds, then release. Do them in sets of ten, and try to work up to three or four sets a day.

This Week's Activity:


Look into childbirth classes. The best and most popular ones fill up fast so start your search now. Classes vary quite a bit in their approach. Some are spread out over several weeks, while others are as short as a day. Your hospital probably offers classes, but you may want to take a specialized class elsewhere. To find a class, get recommendations from your healthcare provider and your friends, or call the International Childbirth Education Association at (952) 854-8660 for information about childbirth educators in your area.

Friday, June 6, 2008

Sintomas da gravidez

Um dos sintomas inquestionáveis da gravidez é...o facto de as pessoas passarem a falar em semanas! hehehehehe
Já antes de engravidar eu tinha reparado. Este é um dos fossos abissais entre grávidas e pessoas que já estiveram grávidas, e o resto do mundo.
Quando me respondiam 14 semanas...eu parava 3 segundos, e acabava sempre por perguntar, "Ora traduz lá isso em meses...". E não é por mal, mas são muitos anos a medir o tempo por outras medidas que não semanas. E toda a gente sabe que os portugueses não são famosos em cálculo mental.
Agora que engravidei, e já que me ri tanto à custa desta questão antes de engravidar faço questão de dizer a metade do mundo que estou com umas saudáveis 16 semanas!!! E à outra metade do mundo que estou com uns orgulhosos 4 meses!!!
:D

Formação para Doulas no Norte — Vila Real

"A Associação Doulas de Portugal vai realizar a próxima Acção de Formação Inicial para Doulas em Vila Real, nos dias 13 a 15 de Junho. (Sexta, Sábado e Domingo).Para mais informações e envio de ficha de inscrição, devem enviar um mail para geral@doulasdeportugal.org com os dados pessoais, contactos telefónicos, morada, profissão e um pequeno texto de apresentação onde exponham as vossas razões para quererem frequentar esta formação."
Aí vêm elas!! Finalmente rumo ao Norte!! Depois conto-vos como foi!!!
Mais infomação em Doulas de Portugal

Monday, June 2, 2008

Ohhh...a Felicidade :)

É tão bom a felicidade :) E principalmente com barriguinha é ainda melhor :)
Se todos os dias nos questionamos se este stress, aquele susto, ou aquela tristeza podem ter chegado @ bebé...quando estamos com um enorme sorriso e o coração aconchegadinho pelos amigos é bom imaginar que @ bebé está igualmente confortável, plena e feliz !

Wednesday, May 28, 2008

Parabéns a MIM!!!


Eu bem disse que o mais tardar até aos 30 tinha uma feijoca, e nem de propósito, aos 30 já sou mamã de uma pipoquinha de 15 semanas :).




Foram elas...as cegonhas...Precisamente no dia do pai!


10 semanas

12 semanas

15 semanas

Wednesday, May 21, 2008

Como o meu parto pode ser!Como o teu parto pode ser!

Para quem acredita que o parto é um evento fisiológico na vida de uma mulher, sabe que alguma coisa terrivelmente errada acontece nos nascimentos que nos rodeiam!
Deixo aqui o trailler do filme que estou ansiosa por ver nesta Mostra em Coimbra, e acho que já dá para ter um "cheirinho" do que é um parto verdadeiramente maravilhoso!

A não perder!!!

Parto Orgásmico

Mostra paralela ao Festival Caminhos do Cinema
Português

Esta mostra de filmes sobre a experiência do parto vai buscar o seu
título a um dos filmes em exibição. Serão apresentados filmes dos
Países Baixos, EUA, Rússia, Guatemala, México, Argentina, Brasil e
Espanha. O que os une é a forma como nos apresentam partos naturais
em que o poder é restituído à mulher, não sendo este seu ritual de
passagem mediado por máquinas ou drogas. As únicas drogas presentes
são as hormonas naturais. ["The same pleasurable stimuli triggered
during sex, can also be released during birth." Debra Pascali-Bonaro,
em http://www.orgasmicbirth.com/].
Fica o convite para entrar nesta viagem pela intimidade de vários
nascimentos e por diferentes modelos de cuidado perinatal, que
seguramente o levará a reexaminar a forma como se vive o parto em
Portugal.
As sessões de filmes são seguidas de palestras sobre diversos temas à
volta da questão do parto e debates.

Local da mostra:
Festival Caminhos do Cinema Português
Mini-auditório do Edifício AAC (Associação Académica de Coimbra)
Rua Padre António Vieira
3000-315 Coimbra

Data e hora da mostra:
De 22 de Maio a 25 de Maio
Das 10h às 13h30
Entrada grátis

Programa

22 de Maio 10h
Mary Zwart - Abertura oficial da mostra de filmes "Parto Orgásmico"

1. Parir acompanhadas!/Dando à Luz - HumPar/53''
Argentina/Espanhol/Legenda Português
2. Birth into being: The Russian Waterbirth Experience/ Elena Tonetti-
Vladimirova (produtor)/2007[re-edição de Novy Svet, 1999]/28'
Russia/Inglês
3. Born in Water: a sacred journey/Jennifer Gallardo & Ana
Carpio/2001/33'
Guatemala e EUA/Inglês
4. Em posição de escolher!/ Dando à Luz - HumPar/1'13''
Argentina/Espanhol/Legenda Português
5. De parto/Mariona Ortiz & Anna Masllorens/2006/53'
Espanha/Espanhol

Colóquio 12h/13h30
12h
Ana Raposeira e Cristina da Silva - "O papel da Doula no apoio à
maternidade"
12h15
António Ferreira – "Parto na água em Portugal"

23 Maio 10h
Especial Profissionais de Saúde (mas também para público
geral)

6. Por tu bien/Icíar Bollaín/2004/3'
Espanha/Espanhol/Legenda Português
7. An inspired beggining: a film portrait of the Midwifery School
Amsterdam/ Roel Van Dalen/1996/48'
Países Baixos/ Holandês/ Legendas: inglês
8. Só 3 ou 4 minutos.../ Dando à Luz - HumPar/32''
Argentina /Espanhol/Legenda Português
9. Gentle Birth Choices/Barbara Harper/1993/46'
EUA/Inglês

Colóquio 12h/13h30
12h
Mary Zwart – "Models of care and EU directives for midwives"
12h30
António Ferreira – "Parto domiciliar versus parto hospitalar"

24 de Maio 10h

10. Orgasmic Birth/Debra Pascali-Bonaro/2008/87'
EUA/Inglês/ Legendas português
Palestra 12h/13h30
"Parto e Erotismo" com Ricardo Jones e Zeza Jones

25 de Maio 10h

11. Sem pressa!/ Dando à Luz - HumPar/36''
Argentina/Espanhol/Legenda Português
12. Grávida!!: Informação sobre gestação e parto em língua gestual
holandesa/Anna Hiddinga/2002/53'
Países Baixos/Língua gestual holandesa com legendas em holandês/
tradução directa em português e em língua gestual portuguesa
13. Video in the delivery room/Saskia Van Rees/1999/15'
Países Baixos/Inglês
14. Birth Day/Frank Ferrel (produtor)/2007/11'
México/Português (dobrado)
15. Proximidade e Cuidado/Clarissa Campolina & Sérgio Borges/2005/17'
Brasil/Português

Colóquio 12h/13h30
12h/12h30
Mary Zwart – "Informed choice, informed consent"
12h30/13h30

Debate Final

Um banho de tecnocracia!

Acabadinha de chegar de Beja tive duas consultas. De manhã a ecografia, de tarde a consulta com a minha médica de família.
De manhã tive um exemplo ao vivo e a cores do que é a tecnocracia. E não gostei nada...
Ora então, cheguei ao hospital, apresentei-me à administrativa e ela passou-me um papel para eu assinar enquanto esperávamos pela nossa vez. O papel dizia que eu autorizava a fazerem-me uma série de exames, amniocentese, cordocentese, e outros que tais, depois de me terem explicado os riscos e benefícios. Ora nem ninguém me tinha explicado nenhum risco nem benefício, como eu só estava ali para fazer uma simples ecografia... Decidi esperar até entrar e falar com a médica.
Entrei no consultório, pediram-me o "tal" papel, e eu lá respondi que não tinha assinado porque queria que me explicassem o que estava a assinar.Elas disseram que era uma simples autorização mas quando olharam para o papel, "mas este é o papel errado!!". Resumindo, lá me foram buscar o papel "certo" que dizia nada mais nada menos que eu autorizava a realização da ecografia conhecendo os riscos e benefícios(que obviamente ninguém explicou) e que esta servia essencialmente para detectar grandes malformações, no entanto, ainda que tudo parecesse normal, isso não garantia uma criança saudável...Simpático não? Eu acabei por assinar sem "incomodar" mais a Srª Drª.
De seguida ela informou-me que a seguir eu ia fazer o exame bioquímico. Ups, lá tive de chatear outra vez... E esse exame é o quê? Para que serve? "Não é nada, é apenas um exame de rotina que se faz a casais jovens". Pois sim, mas e serve exactamente para quê? "é um exame de rotina, é só tirar sangue, e serve para fazer o despiste da Trissomia 21." Então nesse caso não estou interessada em fazer esse exame. Olá!! Aqui a Srª Drª levantou pela primeira vez os olhos dos papeis e olhou para mim. Já nem sei o que ela disse, eu e o Eduardo lá íamos dizendo que não pensávamos abortar em caso de malformações, que esta criança ia nascer se quisesse, e que não sentíamos necessidade de saber agora caso alguma coisa acontecesse.
Lá passámos à eco propriamente dita, mas eu que ainda pensava que ia ser um momento mágico ver a pipoca pela 1ª vez, foi tudo menos isso. A médica não me dirigiu uma palavra, não me disse sequer quanto media a pipoca, lá referiu placenta prévia(eu ainda perguntei o que ela queria dizer com isso, mas não tive sorte nenhuma). Foi bruta e impessoal, eu saí de lá com o Eduardo a rir, a gozar com toda a situação, mas realmente se fosse outra pessoa qualquer ia sair dali com muitas dúvidas e muitos fantasmas.
O texto já vai longo, queria apenas dizer que de tarde com a minha médica de família foi tudo melhor. Até tenho esperança de conseguir construir uma relação simpática com ela de maneira a falar com ela sobre humanização do nascimento. Tenhamos fé ;) .

Thursday, May 15, 2008

"Nós podemos tudo! Nós podemos mais!"

Fui a Beja receber um banho de ocitocina...e foi tão bom :D
Aposto que há desse lado alguma leitora que sabe perfeitamente do que estou a falar.
Estive no curso de Educadora Perinatal da ANDO, a ouvir mais uma vez o maravilhoso Ricardo Jones. E a maravilhosa Zeza. E a maravilhosa Lucya.
Foi tão bom que não tenho palavras para descrever, ia ficar tão aquém...só mesmo vivendo:).
Sinto que foi a melhor preparação para o parto que podia ter feito, e vislumbrei o caminho que quero seguir. Aprendi algumas coisas novas, mas sobretudo vivemos aprendizagens maravilhosas.
Parece-me que "engravidei" este fim-de-semana, a barriga finalmente apareceu e comecei a ter uma fome devoradora de leões!
Queria-vos oferecer uma música que resume este último fds, mas o youtube não está a colaborar, fica para a próxima:D
Ups, afinal o youtube estava a colaborar até bem demais, mas era aqui ao lado Eu é que sei!

Tuesday, April 29, 2008

@ bebé às 11 semanitas :)

11 Semanas

A uma semana da fatídica data do (tchan-chan-chan-tchaaaaannn) 1º trimestre!!!
Percebo perfeitamente os medos, o peso nos ombros, o receio, afinal de contas a percentagem de abortos espontâneos no 1º trimestre é bastante elevada, é muito comum acontecer, mesmo sem razão nenhuma aparente. Mas que hei-de dizer...a mim não me bateu. Tanto que não conseguimos resistir e pusemos a "boca no trombone" logo às 4 semanas, a nossa posição é, se temos amigos com quem queremos partilhar esta alegria, também teremos caso aconteça alguma coisa menos boa.
Claro que às vezes "bate" aquela insegurança, mas atira-se para trás das costas! Eu quero é curtir cada dia desta gravidez maravilhosa ao máximo :D.

Saturday, April 26, 2008

Quase nas 11 semanas mas sem tempo para "postar"

Your pregnancy: 10 weeks


How your baby's growing:

Though he's barely the size of a kumquat — a little over an inch or so long, crown to bottom — and weighs less than a quarter of an ounce, your baby has now completed the most critical portion of his development. This is the beginning of the so-called fetal period, a time when the tissues and organs in his body rapidly grow and mature.

He's swallowing fluid and kicking up a storm. Vital organs — including his kidneys, intestines, brain, and liver (now making red blood cells in place of the disappearing yolk sac) — are in place and starting to function, though they'll continue to develop throughout your pregnancy.

If you could take a peek inside your womb, you'd spot minute details, like tiny nails forming on fingers and toes (no more webbing) and peach-fuzz hair beginning to grow on tender skin.

In other developments: Your baby's limbs can bend now. His hands are flexed at the wrist and meet over his heart, and his feet may be long enough to meet in front of his body. The outline of his spine is clearly visible through translucent skin, and spinal nerves are beginning to stretch out from his spinal cord. Your baby's forehead temporarily bulges with his developing brain and sits very high on his head, which measures half the length of his body. From crown to rump, he's about 1 1/4 inches long. In the coming weeks, your baby will again double in size — to nearly 3 inches.

See what your baby looks like this week.

Note: Every baby develops a little differently — even in the womb. Our information is designed to give you a general idea of your baby's development.

How your life's changing:

At your next prenatal visit, you may be able to hear your baby's rapid heartbeat with the help of a Doppler stethoscope, a handheld ultrasound device that your practitioner places on your belly. Many women say that the beating of their baby's tiny heart sounded like the thunder of galloping horses and hearing it for the first time was very moving.

Before you got pregnant, your uterus was the size of a small pear. By this week, it's as big as a grapefruit. Though you're probably not ready for maternity wear, you may find that your regular clothes are becoming uncomfortably tight and your blossoming breasts are straining the seams of your bra. The thickening in your midsection is most likely due to slight weight gain and bloating at this point. In these transitional weeks between regular and maternity clothes, pants and skirts with forgiving elastic waistbands (or low-rise waistlines that sit below your belly) will provide some much-needed comfort.

Depending on your level of fitness, you can most likely participate in a wide range of activities during pregnancy. Swimming and walking are excellent choices for the whole nine months. Exercise promotes muscle tone, strength, and endurance — three qualities that can help you carry the weight you gain during pregnancy, prepare you for the physical stress of labor, and make it easier to get back into shape after your baby is born. (Unfortunately, there's no evidence that regular exercise shortens labor.)

Dealing with evening sickness "My version of morning sickness developed every evening around dinnertime. I couldn't eat anything, but I was starving (and cranky) nonetheless. Things improved after I adjusted my schedule, eating my big meal in the morning and something light — usually crackers and cheese or cereal — for dinner." — Susan


3 Questions About�Infections during pregnancy

Q1. What do I need to know about urinary tract infections during pregnancy?

Urinary tract infections (UTIs) are the most common bacterial infection during pregnancy. Higher levels of progesterone are partly to blame. The hormone relaxes your urinary tract, which may slow the flow of urine, giving bacteria more time to grow. Later in pregnancy, other factors come into play as well.

An infection occurs when intestinal bacteria travel from your rectum to your urethra and make their way up your urinary tract, where they continue to multiply. Sometimes they cause a bladder infection called cystitis. Symptoms of cystitis include pain, discomfort, or burning when urinating, a more frequent urge to pee, and pelvic discomfort or lower abdominal pain. Your urine might look cloudy and have a foul smell.

It's important to see your caregiver if you think you have a bladder infection. Untreated cystitis can lead to a kidney infection that can make you seriously ill and increase your risk for preterm labor. If you do have cystitis, your practitioner will prescribe antibiotics that are safe during pregnancy to help prevent further problems. The antibiotics will likely relieve your symptoms within a few days, but remember to complete the entire course of treatment to destroy all of the bacteria.

Bacteria can also multiply in your urinary tract without causing any symptoms (a condition called asymptomatic bacteriuria), which is why your practitioner sent a sample of your urine to the lab at your first prenatal visit. You'll need to be treated with antibiotics if you have aymptomatic bacteriuria.

Q2. What do I need to know about bacterial vaginosis during pregnancy?

Bacterial vaginosis (BV) is a genital tract infection is caused by an overgrowth of bacteria that usually live in small numbers in your vagina. You may not have symptoms with BV. If you do, you may notice a thin, milky white or gray discharge with a foul or fishy smell. (This odor is most apparent after sex.) You might also have some irritation or itching around your vagina and vulva, although at least half of all women with BV have no symptoms.

BV has been linked to an increased risk of preterm labor and preterm rupture of the amniotic membranes surrounding your baby. If you have symptoms of BV or if you're at risk for preterm labor, your caregiver will screen for the infection and treat you with antibiotics if the results are positive. If you're not at risk or don't have any symptoms, your practitioner won't screen you.

Q3. What do I need to know about yeast infections during pregnancy?

Yeast infections are common vaginal infections that are even more likely when you're pregnant. They're caused by microscopic fungi in the Candida family. These fungi are found in the vaginas of nearly one third of women and only become a problem when growth is so rapid that the yeast overwhelms other competing microorganisms. Your increased estrogen level during pregnancy causes your vagina to produce more glycogen, making it even easier for yeast to grow there. (Some researchers think estrogen also has a direct effect on yeast, causing it both to grow faster and to stick to the walls of the vagina better.)

A yeast infection won't hurt your developing baby. If you have an infection when you go into labor, there's some chance that your newborn will contract it as he passes through the birth canal. Yeast may cause a common infection called thrush, which is recognizable by white patches in a baby's mouth. Thrush isn't serious and is easily treated in healthy newborns.

This Week's Activity:

Buy some new bras and undies. If your breasts are sore, get a good supportive cotton bra. Maternity bras can offer extra support, so try a couple on to see whether you like them. Your breasts might increase one or two more sizes, especially if this is your first pregnancy, and a knowledgeable sales associate can help you with sizing. Maternity briefs, bikinis, and even thongs — if that's your thing — can also make a bigger difference in your comfort than you may realize.

A pipoca tá tramada ;)

hehehehehe
Não escapa...a pipoca já teve direito ao reportório completo, "E depois do Adeus", "Grândola", Zeca, Zé Mario, Adriano...
SEMPRE!

Saturday, April 19, 2008

@ bebé

Mas porque é que um bebé há-de ser um..e não uma?
Raio de sociedade de homens, tudo gira à volta deles.
Porque é que por eu tratar a minha bebé no feminino a vou traumatizar mais (caso seja menino:) do que traumatizaria caso o tratasse por ele e fosse uma ela? Porque as mulheres têm mais fibras e foram feitas para sofrer...:S??
A Ana achou piada eu escrever @ bebé, mas quando falo digo sempre ela, e mai' nada!

A minha Doula é LINDAAAAAA

A minha Doula é linda! É maravilhosa! É a "máior"! É serena! É sábia!


...Quando eu fôr "crescida" hei de ser como ela :)...

A maravilha da técnica!!

Realmente...temos tão pouca confiança no nosso corpo que a gravidez só se torna real quando a vemos vemos num monitor, na ecografia,nas análises.
É incrível nestes primeiros tempos, julgamos sentir tudo, depois achamos que não sentimos nada, a barriga, as mamocas...
Estamos na fase S.Tomé...heheheheh... ver para crer!!

Wednesday, April 16, 2008

Your pregnancy: 9 weeks


How your baby's growing:

Your new resident is nearly an inch long — about the size of a grape — and weighs just a fraction of an ounce. She's starting to look more and more human. Her essential body parts are accounted for, though they'll go through plenty of fine-tuning in the coming months. Other changes abound: Your baby's heart finishes dividing into four chambers, and the valves start to form — as do her tiny teeth. The embryonic "tail" is completely gone. Your baby's organs, muscles, and nerves are kicking into gear. The external sex organs are there but won't be distinguishable as male or female for another few weeks. Her eyes are fully formed, but her eyelids are fused shut and won't open until 27 weeks. She has tiny earlobes, and her mouth, nose, and nostrils are more distinct. The placenta is developed enough now to take over most of the critical job of producing hormones. Now that your baby's basic physiology is in place, she's poised for rapid weight gain.

See what's going on in your uterus this week.

Note: Every baby develops a little differently — even in the womb. Our information is designed to give you a general idea of your baby's development.

How your life's changing:

You still may not look pregnant even if your waist is thickening a bit. You probably feel pregnant, though. Not only are morning sickness and other physical symptoms out in full force for most women, but you may feel like an emotional pinball as well.

Mood swings are common now — it's perfectly normal to feel alternately elated and terrified about becoming a parent. Try to cut yourself some slack. Most women find that moodiness flares up at around six to ten weeks, eases up in the second trimester, and then reappears as pregnancy winds to a close.

When to break the news at work "I waited until after the first trimester to tell my boss. By then I wasn't as worried about something happening to the baby and had time to think about a maternity leave plan." — Kristin


Decision Guide: When to tell at work?



Some women spill the baby beans at work right away. Others wait as long as they can for fear that their pregnancy will affect how their boss or co-workers view them. Many women wait until they're in their second trimester, when their pregnancy is well established and the risk of miscarriage has declined significantly. What's the best time for you to announce? Here are some factors to consider:

Are you having any complications? If you are, and you have frequent visits to your caregiver or are very preoccupied, you might feel relieved if you told your colleagues early in your pregnancy.

How sick are you? If you're suffering from near-constant nausea or frequent vomiting, you may have to tell your supervisor about your pregnancy earlier than you'd prefer. Before you tell her, figure out what you want: Compassion? Time off? A flexible schedule until you get through the worst of it? Ask for what you need and then assure her that most women feel better by the end of the third month.

Is your job strenuous or potentially dangerous? For your baby's sake and your own, you'll probably want to come clean early on. Making your announcement right away will allow you to talk about changing your job responsibilities in a timely manner.

Will your supervisor and colleagues be supportive? This will depend on your workplace culture, the extent to which your workplace has been affected by other women's pregnancies, and your relationship with your supervisor. If you're confident that your employer will handle the news in a professional manner, announcing your pregnancy early means you can take advantage of any employer-provided services that can help make your pregnancy healthier and less stressful.

Unfortunately, some employers may be less than enlightened about pregnant employees. If you're concerned about your employer's reaction, proceed cautiously, and consider waiting to tell your boss until you're starting to show. You might also want to quietly take aside a colleague who's been pregnant at work and ask her how she was treated.

Finally, be aware of your legal rights. A federal law called the Pregnancy Discrimination Act (PDA) prevents covered employers from firing, demoting, or compensating women differently just because they're pregnant. In addition, many states have similar laws that prohibit discrimination against pregnant women.

What do most women do? Here's when thousands of BabyCenter members announced their pregnancies at work:
• 23 percent spilled the beans right away.
• 23 percent waited a few weeks until they absorbed the news themselves.
• 36 percent waited until after their first trimester.
• 14 percent waited until they started to show.

The good news: The vast majority had a positive experience — 83 percent said their boss was supportive when they revealed their baby news.

Got a question about your rights? Get confidential advice by calling the hotline at 9 to 5, National Association of Working Women: (800) 522-0925.


This Week's Activity


Start a daily ritual to connect with your baby. Diane Sanford, a clinical psychologist who focuses on pregnancy and postpartum adjustment, encourages women to set aside two five- to ten-minute periods a day to think about their baby. Just after waking up and before going to sleep works well for many expectant moms. During these times, sit quietly and gently rest your hands on your belly. Focus on your breathing and then start thinking about your baby (your hopes and dreams, your intentions as a parent, etc.). It's a great way to initiate the bonding process and to help you plan for the kind of parent you want to be.

Friday, April 11, 2008

Preparação para o Parto

Isto foi o que me passou pela cabeça quando a enfermeira me disse que eu seria contactada lá pelas 27 semanas para fazer preparação para o parto lá no Centro de Saúde.
Acredito que o método psicoprofilático seja muito útil para algumas mulheres, mais não seja porque antes esse que nenhum, mas eu não penso ir por esse caminho. A minha preparação para o parto vai ser feita com Sofrologia e Yoga para Grávidas. E mais alguma coisa que apareça entretanto que faça sentido para mim.
Mas como diz a Cat, a célebre frase "Encha o peito de ar, feche a boca e agora faça FORÇA!", não me parece que me traga grandes vantagens.

Gostei :D !

Tive ontem a minha 1ª consulta :D.
Como reparou uma amiga minha, já tinha ido ao Acupunctor, já tinha Doula, até consulta de Florais de Bach...só não tinha ido à médica! hihihihihih
A minha grande preocupação era não ter um médico a impingir-me exames, e ecografias, e possibilidades de doenças e azares com @ bebé. E então a minha doula aconselhou-me a ser acompanhada pela minha médica de família. Boa dica! Eu ainda nem tinha pensado bem no caso, mas realmente é a melhor hipótese, fica mais barato que uma ginecologista particular, e só nos mandam fazer os exames estritamente essenciais, porque são esses que estão abrangidos pelo SNS(Serviço Nacional de Saúde).
Antes da consulta com a médica fui atendida pela Srª Enfermeira (que faz anos no mesmo dia que eu :D viva o maravilhoso mundo das coincidências!). Ela mede, pesa, faz indicações básicas sobre alimentação, etc..
Depois passámos à Srª Drª. Não me deu os parabéns;)...mas foi simpática, e sempre com um sorriso nos lábios. A minha principal preocupação para já era não ser abalroada por um exagero de ecografias, ela marcou para as 13 semanas e eu fiquei logo mais descansada. Falou-me no ácido fólico, que eu já estava a tomar, e passou-me alguns exames. De resto disse para eu não abusar, porque ainda estava no 1º trimestre e havia algum perigo de aborto, mas para fazer a minha vida normal.
Gostei, não foram alarmistas, nem negligentes!

Wednesday, April 9, 2008

Agora sim...uma Feijoca!!!!

Your pregnancy: 8 weeks


How your baby's growing:

New this week: Webbed fingers and toes are poking out from your baby's hands and feet, his eyelids practically cover his eyes, breathing tubes extend from his throat to the branches of his developing lungs, and his "tail" is just about gone. In his brain, nerve cells are branching out to connect with one another, forming primitive neural pathways. You may be daydreaming about your baby as one sex or the other, but the external genitals still haven't developed enough to reveal whether you're having a boy or a girl. Either way, your baby — about the size of a kidney bean — is constantly moving and shifting, though you still can't feel it.

See what's going on in your uterus this week. (Or see what fraternal twins look like in the womb this week.)

Note: Every baby develops a little differently — even in the womb. Our information is designed to give you a general idea of your baby's development.

How your life's changing:

You may notice that your bra is getting more snug. Soon you'll likely need a larger size with better support. Rising levels of hormones cause breast growth and other tissue changes, all in preparation for lactation. Your breasts may continue to grow throughout pregnancy. Don't be surprised if you go up a cup size or two, especially if it's your first baby. Keep this in mind, and allow for room to grow when investing in a new bra.

Feeling fatigued? Hormonal changes — in particular, a dramatic rise in progesterone — may be contributing to your sluggishness. Nausea and vomiting can certainly cost you energy, too. And you may be having trouble getting a good night's sleep at this point, especially if you're uncomfortable or find you need to get up to pee.

Walking to beat fatigue "Taking a short 15- to 20-minute walk helped me cope with the overwhelming fatigue that hit me in the first trimester. It was the only way I made it through a day at work without a nap!" —Gabriela


Decision Guide: Which prenatal tests are for you?



Your healthcare provider will offer you a range of genetic screening and diagnostic tests during your pregnancy. Some are simple blood tests, while others involve more invasive procedures — and all are optional. Before you agree to any test, ask your caregiver to explain what it is, how it's done, whether the test itself is risky in any way, and what the results will tell you. Many prenatal tests are for screening rather than diagnostic purposes. Screening tests give you a sense of your risk for certain conditions. But only a diagnostic test can tell you for sure whether your baby has a problem. Here are your options during the first trimester:

First-trimester combined screening test: This relatively new screening test combines a nuchal fold scan (using ultrasound to measure the clear space in the tissue at the back of your developing baby's neck) with a blood test to measure two proteins. The scan is performed between 11 weeks of pregnancy through the end of 13 weeks, and the blood test may be done at the same time or possibly a few weeks earlier. First-trimester combined screening gives you information about your baby's odds of having Down syndrome and may tell you whether your baby's at higher risk for a few other problems as well. Although it's not diagnostic, the screening is essentially risk-free and may help you decide whether you want invasive diagnostic testing such as chorionic villus sampling (CVS) or amniocentesis, which slightly increase the risk of miscarriage.

Chorionic villus sampling (CVS): This diagnostic test involves collecting cells from the placenta, which are then sent to a lab for genetic analysis. CVS can identify whether your baby has any of hundreds of chromosomal abnormalities and other genetic disorders. It's done in the first trimester, usually between 11 and 12 weeks, making it an earlier alternative to another diagnostic genetic test called amniocentesis, which is done between 16 and 20 weeks.

Get a complete overview of the testing for Down syndrome and other chromosomal abnormalities available to you during your pregnancy.

Thursday, April 3, 2008

“É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”

Albert Einstein

Sonooo...muito sonooooo

Ai meninas...que sonoooooo!!
Eu sei que é da praxe! E além disso eu já era dorminhoca! Mas que raio...
E digo-vos mais, eu estou desempregada, para o bem e para o mal, mas ao menos posso dormir, mas admiro as mamãs que conseguem passar esta fase E trabalhar das 08h às tantas!!!

zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Wednesday, April 2, 2008

PARABÉNS!!!!!!!!!

O Ric Jones disse uma coisa muito interessante, que um bom indicativo para escolher o médico que acompanhe a gravidez é...aquele que nos der os parabéns pela gravidez! E já agora de uma forma sincera e feliz.
Eu não sei como vai ser com a minha médica, só tenho consulta marcada para dia 10. Mas quanto às pessoas com que me cruzo, os amigos, a família, é muito interessante ver a reacção das pessoas :).

Apenas uma não me deu os parabéns, e falou apenas dos seus assuntos.
A maior parte pergunta pelos enjoos, que eu não tenho, mas é sem dúvida o tema-tipo do início da gravidez(tal como a dor é o tema-tipo do parto).
As que já foram mães falam do que as marcou na sua própria gravidez, o medo do parto, as proibições alimentares, os enjoos, a enorme felicidade, a saudade da barriga...
O que noto, e acho engraçado, é que raras são as pessoas que reagem pela pura felicidade da notícia de uma gravidez , a maior parte perde-se no meandro das sinapses da sua própria história de vida.

Tuesday, April 1, 2008

7 semanitas

Your pregnancy: 7 weeks


How your baby's growing:

The big news this week: Hands and feet are emerging from developing arms and legs — although they look more like paddles at this point than the tiny, pudgy extremities you're daydreaming about holding and tickling. Technically, your baby is still considered an embryo and has something of a small tail, which is an extension of her tailbone. The tail will disappear within a few weeks, but that's the only thing getting smaller. Your baby has doubled in size since last week and now measures half an inch long, about the size of a blueberry.

If you could see inside your womb, you'd spot eyelid folds partially covering her peepers, which already have some color, as well as the tip of her nose and tiny veins beneath parchment-thin skin. Both hemispheres of your baby's brain are growing, and her liver is churning out red blood cells until her bone marrow forms and takes over this role. She also has an appendix and a pancreas, which will eventually produce the hormone insulin to aid in digestion. A loop in your baby's growing intestines is bulging into her umbilical cord, which now has distinct blood vessels to carry oxygen and nutrients to and from her tiny body.

See what's going on in your uterus this week.

Note: Every baby develops a little differently — even in the womb. Our information is designed to give you a general idea of your baby's development.

How your life's changing:

Your uterus has doubled in size in the past five weeks, and eating may feel like a chore — or worse — thanks to morning sickness, which by now may be in full swing. (If you're feeling fine, don't worry — you're lucky!)

You may need to pee more than usual, too, thanks to your increasing blood volume and the extra fluid being processed through your kidneys. (By now, you already have about 10 percent more blood than you did before you were pregnant. And by the end of your pregnancy, you'll have 40 to 45 percent more blood running through your veins to meet the demands of your full-term baby.) As your uterus grows, pressure on your bladder will send you to the bathroom as well.

About half of the women who feel nauseated during the first trimester will find complete relief by about 14 weeks. For most of the rest, it'll take another month or so for the queasiness to ease up. It's unlikely, though, that the need to pee more than usual will ease up. In fact, research shows that both the frequency and volume of urine tends to increase over the course of pregnancy.

3 Questions About... Prenatal checkups



Sometime in the next few weeks is the perfect time to see your healthcare provider for your first prenatal visit. Good prenatal care helps give your baby a healthy start in life.

Q1.

How should I prepare for my first appointment?

Write down all of your questions and bring them with you so you can use your time effectively and get the professional advice you're hungry for. Mention everything you're feeling or wondering about, no matter how insignificant. Also:


• Bring a list of all your medications (prescription and over the counter, including supplements) so your caregiver can assess whether they're safe to take now.

• Look back over your calendar and note the first day of your last period. Your doctor or midwife will use this date to estimate your baby's due date. (Don't worry if you haven't been keeping track or have irregular periods. If you don't have a reliable menstrual date, your caregiver can schedule an early ultrasound to date your pregnancy.)

• Take some time to review your family medical history and your partner's. If you're not sure whether anyone in your family has a chromosomal or genetic disorder, check in with your parents or another close relative. Your caregiver will ask you about this to help guide her prenatal testing recommendations.

Q2.

What happens during these appointments?
Your practitioner will generally start by asking how you're feeling physically and emotionally, whether you have any complaints or worries, and what questions you may have. She'll have other questions as well, which will vary depending on how far along you are and whether she has specific concerns.

The goal of prenatal visits is to see how your pregnancy is proceeding and to provide you with the information you need to help keep you and your baby healthy. Your midwife or doctor will check your weight, blood pressure, and urine; measure your abdomen; check the position of your baby; listen to your baby's heartbeat; perform other exams and order tests as appropriate; and closely monitor any complications you may have and intervene if necessary.

At the end of the visit, your practitioner will review her findings with you, explain the normal changes to expect before your next visit and the warning signs to watch for, counsel you about lifestyle issues (such as the importance of good nutrition and avoiding tobacco, alcohol, and drugs), and discuss the pros and cons of optional tests you may want to consider.

Q3.

Should my partner go with me?

That's up to you. Some couples find that they benefit from going to prenatal appointments together — especially the biggies like the first visit, the ultrasound exam, and anytime key test results will be revealed. Here's what other BabyCenter couples say: 57% of pregnant women who took our poll said they always want their partners to attend appointments with them. 37% of partners say they go to every prenatal appointment.

If you're not happy with your caregiver, look for another. The average woman has about ten to 15 prenatal visits, so it's important to choose someone you like and trust. For more information, see How to choose a prenatal caregiver and What to expect at prenatal appointments.


• Some moms-to-be want their partner to join them for every prenatal appointment. Others are happy to go on their own. How do you feel about it?

This Week's Activity:


Take a photo of your belly. Have someone take a picture of you this week — before your pregnancy starts showing. Then keep taking photos once a month until your baby arrives. It's a great way to track your progress, and you'll love having the keepsake. Tips for a great shot: Consider wearing the same outfit, standing in the same spot, and striking the same pose (profiles work best) for each photo. Black-and-white shots and nudes or semi-nudes can be especially beautiful.
Nunca tinha pensado em fazer um baby-blog...mas...já que vem aí uma pipoquinha a caminho...
heheehehhe
é verdade!! tenho uma feijoquinha na barriga!
e assim, deixo de ser só aprendiz de doula, sou também aprendiz de mamã, que grande felicidade :D

Formação Pedagogia Waldorf


Wednesday, March 26, 2008

A época mais feliz das nossas vidas

A época mais feliz das nossas vidas é agora! Ou devia ser.
Não é por acaso que as mulheres dizem invariavelmente que a altura mais feliz das suas vidas foi quando estavam grávidas.
Enfim puderam ficar cansadas, e parar, serenar, e ter alguém que lhes puxe uma cadeira para descansarem.
Enfim puderam enjoar qualquer alimento, e ninguém lhes chamar picuinhas e esquisitas, em vez disso acharam piada e foram-lhes fazer outro prato.
Enfim puderam ter desejos, que são mesmo realizados (para aquelas que têm sorte).
Enfim puderam sentir-se lindas com toda a gente a despejar elogios.

O meu grande objectivo é que todas elas acreditem que merecem tudo isto cada dia das suas vidas. Que se amem, que se mimem, tanto como aos seus filhos.